sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Sofia e seu amor livre


Só foi o carro deixar a calçada de Julia que Samuel bombardeou Levi com perguntas.
- Eu sabia que não era só amizade essa coisa com a Julia!
- Era só amizade sim, Samuel.
- Então quer dizer que hoje foi a primeira vez que vocês ficaram?
- Foi sim.
- E todas as tardes que você passava na casa dela?
- O que é que tem?
- Nunca rolou nada?
-Não Samuel! Por que tu insiste nisso?
- Caraca Levi, eu sabia que tu era mole, mas não assim...! Todo mundo sabe que a Julia é louca por ti!
- Nada haver, nós éramos amigos na época do colégio.
- E agora?
- Agora não sei. Deixa que o amanhã cuida do amanhã.
- Quem diz isso é a Sofia...
- É...

Sofia... desde que deixou Julia em casa metade dos seus pensamentos eram ocupados por ela, quer dizer, ela ocupava metade dos seus pensamentos desde que a conheceu. Ele estava sempre preocupado em amá-la e não entendê-la, como sugeriu Vinícius de Moraes.
- Levi! Eu to falando contigo!
- O que é?
- Quer que eu dirija o carro? Tu não presta atenção nem em mim, imagina no trânsito...
- Claro que não, você bebeu. Eu vou prestar atenção, fala aí...
- Você vai contar pra Sofia?
- Vou, lógico.
- Por quê? Você se arrependeu?
- Acho que não...
- Então, vai contar pra quê? Eu prometo que não falo...
- Não se trata disso Samuel.
Interrompeu Levi. Eu estou com ela, então devo dizer a verdade à ela.
- Mas você nem colocou namorando com ela no facebook...
- Grande merda um status de facebook. Não coloquei porque não estou...
- Você não tá namorando com a Sofia?
- Não. Ela não quer namorar comigo...
- Aposto que a Julia quer! Ela é afim de você desde a época do colégio...
- Ah, cala a boca Samuel!

Quando Sofia chegou Levi quis conversar com ela, depois do francês. Na segunda.
- On as besoin de parler. A gente precisa conversar.
- Seulement dans mon lit. Tu me manque tellement. Só se for na minha cama. Tô morrendo de saudade.
- Sérieusement Sofia! Il faut qu'on parle. Serio Sofia, quero falar contigo.
- J'ai déjà dit, seulement dans mon lit! couche avec moi? Já disse, só se for na minha cama! Dorme comigo?
- Não sei se você vai querer dormir comigo...
-Nem eu. Dormir está em segundo plano... Ela sorriu, ele ficou envergonhado, o que não acontecia com frequência.
Levi contou a Sofia sobre Julia, desde o início, quando veio morar na cidade, das tardes no tapete, do beijo na época que Gabi veio visitá-lo, da tensão dela ano passado e do sábado. Sofia escutou tudo calada. E perguntou quando ele se calou:
- E agora?
- Não sei.
- Como assim, não sabe?
-Não sei, você quer “romper” comigo?
- Eu não! Você quer “romper” comigo?
- Claro que não!
- Então pronto, vem pra cá que eu to morrendo de saudades do teu cheiro...
- Espera um pouco Sofia, você não vai dizer nada?
- Sobre a Julia e você?
- É, sobre o que aconteceu...
- Eu não.
- Eu quero que diga!
- Tá bem... Eu não to chateada, se é o que você quer saber, nem estou me sentindo traída, porque você é livre pra se envolver com quem você quiser, afinal, eu já disse não umas 5 vezes pro seu pedido de namoro. Sei que mesmo que namorasse comigo de “papel passado”, isso teria acontecido, por isso sempre defendi a liberdade, inclusive do amor. Eu confesso que estou um pouco insegura, pois achei que por ser suficiente para mim, eu também seria pra você, mas se não é assim, deixa eu fingir e rir, lá lá lá lá.

Ele abraçou e beijou Sofia. Naquele momento, ela era mais do que suficiente, ela era extraordinariamente perfeita. E ele a amou, de muitas maneiras possíveis.

(per)seguidores

No Google+