quarta-feira, 31 de março de 2010

Festchênhas ;**


 ♪ Ritmo, é ritmo de festa ♫

Nos últimos dias tenho engordado, aproveitado algumas festinhas. Pessoas queridas que fizeram aniversário e vim contar um pouco sobre cada uma das comemorações. que contaram com a participação especial de: bolos deliciosos, salgados, pizzas ou jantares extremamente especiais.

  • dia 19/02
Este aniversário não foi surpresa, foi uma "festinha" que só de ver a aniversariante organizando foi divertido. "Oh, vai ser só um bolinho, porque minha mãe queria, sabe? Eu também queria, né!? Vou chamar você, fulano, beltrano, o pessoal do Zé... Mas é só um bolinho. Marquei as 18:30h porque o pessoal chega tarde e se eu marcar às 19h... mas vai começar só lá pra 19:30h mesmo. Tu vai, né?!"
Essa foi a maneira ansiosa, bem empolgada e rápida que ela encontrou para convidar as pessoas.

Foi muito bom encontrar toda a turma, conversar, brincar e arengar! {povo besta que eu amo }

  •  dia 01/03
minha aBESTadarréia 
"Surpresinha" básica regada a conversas, risadas e fotos mal tiradas.
povo simples ispicial


  • dia 02/03
Pela primeira vez fui à casa desta amiga (depois de 4 anos --''), que não sabe o que é direita e esquerda. Junto com outros colegas do tempo da escola. Comemorarmos e comemos comidas deliciosas. Fiquei muito feliz de estar ali, brindando os 18 anos dela, uma nova fase da vida que ela construirá a partir de agora!


Parabéns a todas as minhas amigas, que têm paciência, dedicação (quase uma Casas Bahia), carinho e respeito para comigo

terça-feira, 30 de março de 2010

Lua Nova

(pode conter spoilers)

Segundo volume da série Twilight, relata o afastamento de Bella e Edward. O título se refere à fase lunar mais obscura, indicando que Lua Nova é a fase mais sombria da vida de Bella.

Eu comecei a ler New Moon com alguns "deveres":
  • Descobri se o que Bella sentia por Jacob era só amizade;
  • Entender porque algumas das pessoas que viram o filme (ainda não vi) ou leram o livro gostavam mais do Jacob do que do Edward - porra, que verdadeiro amor é esse, que faz com que a pessoa dê uma "saidinha" e o coração tapa o buraco facilmente -, o que me deixava um tanto chocada, pra não dizer indignada;
  • Além de não ser muito fã da Bella e das burrices que as mocinhas fazem nessas histórias. 

Minhas conclusões:
  • Jacob não é tão ruim assim. É #indiscutível o tanto quanto aprendi a gostar dele.
  • Bella não merece todo esse sofrimento - fala sério, quem é que ama e deixa a amada pra "poupá-la"? Só alguém muito século XIX, puro egoísmo.
  • O risco de vida não foi tããão "risco". #desanimador

Ah, tirem suas próprias conclusões e vejam se existia algo mais na amizade deles:

"... Não parecia nada fraternal quando ele me segurava daquele jeito. Era apenas gostoso - quente, reconfortante e familiar. Seguro. Jacob era meu porto seguro" ou "Ele passou o outro braço em mim, apertando-me contra seu peito, prendendo-me a ele. Mais uma vez era gostoso. Quase como ser uma pessoa inteira de novo". 



terça-feira, 23 de março de 2010

Prison Break

Como disse no post anterior passei o carnaval fazendo coisas que me necessitassem de atenção, mas não com cobrança.


Assisti a última temporada de Prison Break (download aqui). Pra quem não sabe, Prison Break conta a história de um homem (Lincoln Burrows) condenado a morte por um crime que não cometeu e seu irmão (Michael Scofield) elabora um plano para tirá-lo da prisão. Uma vez lá dentro, Michael — um engenheiro estrutural com as plantas da prisão tatuadas no corpo — começa a executar um elaborado plano para libertar Lincoln e provar sua inocência. (1ª temporada)
Na temporada que assisti Michael e seus amigos elaboram um plano para conseguir limpar seus nomes e voltar a ser cidadão nacional. (4ª temporada)

Quem viveu viu.

Ah, as outras séries que acompanhava andaram tendo umas reviravoltas: Gossip Girl não está mais sendo exibida no SBT; CSI está exibindo episódios reprisados de segunda a sexta às 21h na Record (canal 8 - CE); One Tree Hill, já tenho a 2ª temporada, mas ainda não comecei a assistir por causa da preguiça.

Alguém tem alguma dica de um bom seriado pra se fazer download na internet?

sexta-feira, 19 de março de 2010

(Des) ânimo

Existem épocas em que nos sentimos no fundo do poço. Seja por uma discussão, uma raiva, uma decepção, uma indelicadeza alheia ou simplesmente por não ter ânimo para aguentar a rotina diária. O último pareceu ser o meu caso.

No período de carnaval - eu sei que devia ter escrito antes, mas escritores têm seus tópicos sempre, mas nem sempre sua criatividade nas pontas do dedo -, eu estava um tanto contagiada pelo desânimo, aquele abatimento, falta de vontade, sem inspiração, sem entusiasmo.

Incrível como essas coisas acontecem comigo. Quando estou super empolgada com algo, isso não se realiza; quando resolvo criar aquela lista de desejos, normalmente ela é falha - deve ser devido a minha ausência de perseverança - ou como aconteceu dessa vez, quando quero ficar encolhida, escondida e quieta, vem um turbilhão de passeios, viagens, festas e oportunidades.

Não sei se o efeito "Twilight" - costumo ficar estranha depois de ler certos livros - me contagiou com as emoções dos personagens das histórias, no caso, o estado de espírito da Bella em Lua Nova.


Poderia ter ido pular carnaval em Pereiro, com meu tio e a família dele - até promessa dos "gatinhos" do Rio Grande do Norte eu tinha - ou poderia ter escolhido passar o Carnaval com meus amigos na Caponga. Mas, esse ano, não era exatamente folia que eu buscava. Era algo diferente, nem mesmo o Cristo Alegria me animou. Eu buscava um conhecimento pessoal, mas, ainda assim, não queria ficar em casa, então resolvi ir ao Pacheco com minha melhor amiga,

Lá não tinha exatamente festa ou agitação. Passamos o fim de semana jogando The Sims, na maior parte do tempo ou curtimos alguns momentos, como a chuva que nos incentivou a dar um mergulho na piscina. Durante o restante do carnaval, terminei de ler Lua Nova, iniciei a leitura de Eclipse, pensei na Quaresma e assisti Prison Break.

Enfim, era um desânimo, mas não tristeza; um torpor: aquela indiferença pelo mundo, a inércia moral. Era uma vontade de não ser sociável, de não ter que sorrir, de ficar . Não, eu não estava de TPM, era só mais uma das faces de Jéssica.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Quanto tempo dura uma hora?

“A sensação da passagem do tempo é diferente entre adultos e crianças por uma razão muito simples. Elas, as crianças, vivem o tempo todo no presente.”



Na chegada do meu primeiro filho, tive um sonho delirante: em vez do bebê minha mulher tinha parido um relógio! Posteriormente, a experiência de pai me mostrou que o delírio era pura realidade. Filhos são uma espécie de tic-tacs inseparáveis que irão nos acompanhar pelo resto da vida. Quando nos tornamos pais, as semanas passam a ter sete dias e os dias 24 horas. A casa de uma família com filhos nunca fecha. É rotina comparável a uma farmácia de plantão ou batalhão do Corpo de Bombeiros. 
O aprendizado de conviver com esses verdadeiros reloginhos de carne e osso às vezes é divertido mas bastante trabalhoso. Nas férias, gastei saliva para explicar para Miguel, meu filho de 8 anos, que não valeria a pena a gente ficar uma hora na fila de um brinquedo da Disney que nos traria apenas dois minutos de diversão. Semanas depois, a família toda está dentro do carro a caminho da casa dos avós, já exausta depois de 300 km de estrada. Miguel manda a clássica pergunta:  
– Tá chegando?  
– Sim, eu respondo, agora falta pouco. Só uma hora.  
– Ué, aquele dia você não disse que uma hora demorava muito?
 
A sensação da passagem do tempo é totalmente diferente entre adultos e crianças por uma razão muito simples. Elas, as crianças, muito mais sábias, vivem o tempo todo no presente. Enquanto nós, adultos, vivemos angustiados com o passado ou ansiosos pelo futuro. O tempo é o grande dilema dos adultos. Passamos as duas primeiras décadas de vida sem nos importar com o assunto. Depois, tentamos evitar a todo custo o peso dos anos. Temos profundas dificuldades com a ideia da velhice, da perda de potência física ou do fato inexorável de que estamos a caminho do último dia de nossas vidas.  
Nasci numa família grande do interior de São Paulo. Qualquer almoço de domingo por lá reúne no mínimo 50 pessoas. E isso não é modo de falar, é fato! Em famílias grandes, a morte é assunto inevitável. Seja pela idade avançada dos idosos ou pela estatística dos acontecimentos como uma doença fatal que leva o cachorro do tio ou da cunhada. Foi num domingo especialmente solene, marcado pelo encontro raro de duas alas da grande família, que meu sobrinho Gabriel, na sabedoria dos seus 7 anos, deu o show. Com todos sentados em silêncio após a reza, prestes a iniciar o regabofe, o moleque começa a girar como um pêndulo humano, correndo ao redor da grande mesa. A cada cadeira, para, fala o nome e entrega a idade do ocupante. 
– Vô Ézio… 69 anos, Guilherme… 15 anos, tia Isabel… 36 anos!
No final do giro, se aproxima lentamente do bisavô que ocupa a cabeceira da mesa:  
– Bisavô Milton… 94!  
Aí faz uma longa pausa e dispara sem a menor cerimônia:  
– Vai morrer primeiro!  
A mesa desabou numa gargalhada e o almoço começou em grande estilo, inspirado pela consciência do garoto. 

Marcelo Tas

terça-feira, 16 de março de 2010

"Besondere Besuch bei einem Freund"

Besondere Besuch bei einem Freund - Visita especial a uma amiga!

Eu tenho uma professora-amiga muito especial e única. Depois que voltou da Europa - sim ela é muito chique, passa as férias lá - nunca mais tínhamos nos visto. Estava com uma enorme saudade dela, das nossas conversas, seus e-mails só me deixavam mais curiosa.

Ela chegou na minha vida para ser a professora substituta de Química, mas conquistou os alunos e acabou se tornando a professora oficial da turma. Em uma dessas aulas que a gente até tenta gostar de Química, mas a Química insisti em não gostar da gente, eu acabei chorando e ela veio conversar comigo. Foi assim que descobri que pessoa maravilhosa que ela é. 

Foi muito fácil gostar dela e a incluir no meu grupo de especiais. Ela estava sempre por perto, principalmente naquelas horas em que a tensão do vestibular enforca a gente de leve.

Acabado o ano, ela foi passar essas férias na Alemanha, e eu já estava com saudades. Quando ela chegou fui visitá-la com uma amiga. Tivemos a oportunidade de conversar, ouvir sobre sua viagem, ver as fotos e ainda conversar com seu namorado pela webcam. Lanchamos uma pasta de chocolate alemã com bolachas e também ganhamos presentinhos: Maquiagens e os melhores chocolates que comi na vida!

Manter esse relacionamento, é uma das coisas que eu vou me esforçar pra fazer, afinal não é todo professor que se torna seu amigo especial!

sexta-feira, 12 de março de 2010

Meu próprio Quiz :D




 


Você me conhece?
1) Meu nome completo é:
Jéssica Maria Lima Cavalcante
Jéssica Maria Oliveira Lima Texeira
Jéssica Maria Lima Texeira Cavalcante
Jéssica Mria Oliveira Lima Cavalcante






Criei um quiz que fala um pouco de mim. Quero ver se as pessoas me conhecem mesmo. Você me conhece? Faz o teste. Após o resultado, deixa um comentário ai em baixo, dizendo o que você achou.

segunda-feira, 8 de março de 2010

Escolhas...


Como no belo texto do Bial, publicado anteriormente. Passei por situações que me cobraram decisões...
"... Mas este sempre foi o meu jeito. Tomar decisões era parte dolorosa pra mim, a parte que me angustiava."
Nos últimos dias, eu tive que escolher o que eu realmente iria ser quando crescesse. Explicando: Depois que veio o resultado da UFC, onde eu não estava aprovada, tive que escolher o que fazer.
Podia fazer cursinho no Ari (à tarde, caso eu também não passasse na UECE) ou no FB (à noite caso eu passasse). Entretanto, decidir entre essas opções traria consequências maiores e, eu não fazia a mínima ideia de qual delas eu queria na minha vida.

Se eu fosse pro Ari, eu provavelmente não poderia cursar a UECE, já que algumas cadeiras são no turno da tarde. Caso eu escolhesse o FB, provavelmente, eu não faria nem um bom "Pré-Vestibular", nem uma boa Faculdade, já que seria escrava do cansaço e da rotina. Junto com a dúvida, vieram as opiniõeso que cada um pensava que era melhor pra mim, já que eu não sabia.

Dividida entre dois dos grandes cursinhos de Fortaleza, estava também divida entre as opiniões das pessoas que são importantes pra mim. De um lado minha Mãe e alguns parentes e amigos que dividiam a mesma opinião que ela: defendiam que eu deveria agarrar a oportunidade da UECE, que eu deveria tentar entrar depois jornalismo, ou quem sabe, ficar no FB e se esforçar pra dar conta. Mas algumas indagações vieram a minha cabeça, eu vou ser frustrada? Vou desistir do meu sonho?

Do outro lado minha Tia, que contava com o apoio da minha melhor amiga e de alguns amigos e primos: achavam que tenho que lutar pelo que quero e não deixar me acomodar pelas as circunstâncias. Achavam que eu deveria ir estudar no Ari, que é um bom colégio e eu ainda tenho a oportunidade de ter uma pessoa pagando a parte financeira. Nesse momento eu penso: E se eu não tiver outra chance? Se eu não passar?


Teste - Superinteressante

Estava navegando pelo mundo dos blogs quando encontrei o blog da Carol. Ela escreve algo bem diferente do que eu escrevo aqui, mas mesmo na diferença pode se encontrar algo parecido.
Encontrei esse Teste de Personalidade da Super Interessante.

 Instável: Sou uma pessoa tensa, instável, autopiedosa, emocional.

Liberal: Imaginativa, original, curiosa, liberal, tende a gostar de variedade.

Bagunceiro: Ociosa, preguiçosa, bagunceira, atrasada, acomodada.

Extrovertido: Sociável, falante, passional, alegre.

Agradável: Piedosa, confiável, generosa, tolerante, cortês.


Façam e se conheçam.

(per)seguidores

No Google+