sábado, 28 de agosto de 2010

Tatuagens


Eu gosto de tatuagens, acho charmoso, interessante. Pra mim, marca as pessoas mais do que superficialmente, como parece, é algo bem mais do que um desenho eterno na pele.
Acredito que cada tatuagem, marca um período na vida de quem a tem desenhada no corpo.
Eu, particularmente, morro de vontade de ter uma, mas resisto, com pensamentos superficiais do tipo "quando eu for velha vai ser só uma mancha na minha pele enrugada..." Espero que quando chegar a hora certa eu desencane dessa bobagem e "caia pra dentro".

Outra coisa de tatuagem que chama a minha atenção é ver homens tatuados. Acho mega interessante, representa coragem, determinação, sentimento pelas coisas, personalidade forte... é claro que tô falando de tatuagens bem-feitas, não aquelas que parecem queimaduras ou são desenhos feios.

Eu ainda quero namorar um cara tatuado, que com certeza chocará minha família e que meu passatempo seja contornar os desenhos existentes dos seus braços...

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Doces Deletérios

Comentei esses dias no meu twitter que toda vez que mudo o layout do blog, tenho vontade de mudar o nome também. Dessa vez resolvi não ser tão impulsiva - aêêê - e pensar um pouco mais sobre o caso.

Tenho escutado ainda mais Los Hermanos esses dias. Eu gosto da banda, mas infelizmente, o único show deles que eu fui foi em 2005, no Ceará Music e eu nem dei tanta atenção assim, passei a gostar do Camelo desde então, mas não curti o show.
Depois da oportunidade perdida, a banda se desfez e eu me arrependi muitas e muitas vezes.
Esse ano, em uma turnê de reestreia, eles viriam a Recife, e com o dinheiro do meu primeiro salário - e sem o consentimento da minha mãe - iria prestigiar essa volta.
Mas, como o Papai do Céu é bom e detesta conflitos familiares, os trouxe pra Fortaleza, no Ceará Music, novamente.

Enfim, depois disso tudo, me empolguei mais ainda em escutar as músicas. Uma em especial, que sempre foi a minha favorita: Condicional. Pois, inocentemente, achava eu que não era uma das mais conhecidas e que seria só minha. E como o Saulo, metidamente, reparou que os nomes do meu blog batem com letras de música, resolvi procurar entre músicas que gosto, um trecho que servisse como um novo título. Eis que surge Doces Deletérios.

Mas fui adiante - talvez porque seria a primeira vez que fui atrás de um nome, que ele não veio da necessidade de sair de dentro de mim - e fiz uma pesquisa: existiriam outros doces deletérios por ai?
E a resposta, não foi a das mais agradáveis pra mim. Sim, existiam. E vários.
Resolvi conhecê-los, afinal, se "me tomaram o nome" teriam que fazer merecer usá-lo.
Entre eles, alguns chamaram minha atenção (sendo justa, só li um post de cada, não se julga um blog por 1 post, ok?!) :

Deixei uma pergunta pra cada uma delas, querendo saber o porquê da escolha pelo nome do blog, espero que me responda, se responderem, posto aqui.

"Eu quis ter os pés no chão.
Tanto eu abri mão que hoje eu entendi:
Sonho não se dá... ♫"
Devem existir muitos outros, mas esses foram o bastante para me fazer desistir da ideia. Nem conto o número de "Nem tão simples assim" que existem nesse mundão intenético, mas ele é tão meu.
Me fez notar também, que essas coisas a gente não escolhe, a gente simplesmente sente, só isso.











domingo, 22 de agosto de 2010

apatia e indiferença

"O que é indiferença? Seria um desvio de comportamento, um costume, uma forma de sobrevivência, um mecanismo de defesa, de resistência, ou consequência do egoísmo e do medo? O fato é que todos nós, uns mais outros menos, somos indiferentes, 'passamos ao largo' de muitas coisas, realidades, fatos e pessoas, em algumas situações, até de nós mesmos.
A indiferença tem um poder devastador. Ela é a companheira doentia do dominador e opressor, também dos que preferem as desigualdades, a violência, o ódio e a morte. Os indiferentes, de uma forma ou de outra, ferem, rejeitam, excluem, matam. Está correta a conclusão: o contrário do amor não é o ódio, mas a indiferença."
Talvez, as coisas estejam como estão por causa dessa indiferença, que sozinha já arrasa a sociedade. Mas acompanhada da apatia, a indiferença se torna uma mazela social.

A apatia leva ao comodismo, que nos cega para a realidade, nos faz ver um mundo "tão colorido" e nos torna míopes, não nos deixando perceber a desigualdade, o desemprego, a fome.

Além de alterar nossa percepção de enxergar o mundo, tanto a apatia quanto a indiferença têm a capacidade de nos paralisar. Elas não nos motiva à luta, nem se importam com a dor alheia. Estamos apáticos ao sentimento do outro e indiferentes em relação ao modo como o próximo vive.

Situações de indiferença e apatia podem se encontrar no mais amplo ao mais íntimo dos círculos/laços de convivências.

Pra mim, o grande mal da sociedade é a APATIA e a INDIFERENÇA. Seja ruim, seja cruel, mas não seja indiferente, abatido, inativo, desanimado, ocioso, preguiçoso, indolente, inerte, insensível, imparcial, frio, desinteressado. Seja até grosseiro, mas não seja desprendido, descuidado, desatento, afastado da forma como o outro está vivendo.




quinta-feira, 19 de agosto de 2010

But you are the only exception


Maybe I know somewhere deep in my soul
That love never lasts
And we've got to find other ways
To make it alone or keep a straight face
And I've always lived like this
Keeping a comfortable distance
And up until now I swored to myself
That I'm content with loneliness,
Because none of it was ever worth the risk

But you are the only exception


quarta-feira, 18 de agosto de 2010

discussões e reconciliações

Palavras duras em voz de veludo

E tudo muda, adeus velho mundo
Há um segundo tudo estava em paz...



O melhor de brigar é que:
  1. Você fala tudo que tá engasgado.
  2. Você escuta as verdades que você não quer enxergar.
  3. Você assume seu erro.
  4. Você perdoa.
  5. Você faz as pazes.
    Quando eu te tenho eu me sinto tão bem...

    Jéssicas


    O problema de se ter multi-personas é ter que controlá-las quando elas querem se expor.
    Hoje fiquei com raiva/brava/chateada com ele.
    Eu tive vontade de apagar todas as coisas que me lembravam, principalmente as mensagens.
    Mas tive que controlar essa Jéssica Impulsiva, porque a Jéssica Boba ia sentir saudade delas depois, até mesmo das impublicáveis.
    As Jéssicas se resolveram, fizeram um acordo, uma cedeu aqui e a outra ali, apagaria uma ou duas mensagens, já bastavam.

    Tem que haver compreensão e cooperação entre elas, dentro de mim. (:


    segunda-feira, 16 de agosto de 2010

    Por que é tão difícil DIZER "eu te amo?"

    Tenho notado como é difícil dizer um "eu te amo" quando se ama de verdade ou quando se conhece realmente o amor. Não quero entrar aqui naquela questão da "banalização do amor": "Hoje em dia todos dizem amar todo mundo, qualquer sentimento de empatia entre pessoas é chamado amor", pra mim, não há nada mais broxante do que ler coisas desse tipo na internet, virou modinha. As pessoas não estão preocupadas com a "banalização" e sim em criticar quem faz, quem diz que ama.
    Quero falar de como é difícil dizer "eu te amo", quando se gosta tanto de alguém a ponto de amá-la. 

    Partindo do pressuposto de que amor significa:
    1. Sentimento que predispõe alguém a desejar o bem de outrem; 2. Sentimento de dedicação absoluta de um ser a outro; 3. Inclinação ditada por laços de família. 4. Inclinação sexual forte por outra pessoa; 5. Afeição, amizade, simpatia.

    Eu amo amar, acho que o amor é a palavra-chave da vida, como um carimbo aplicado pelo coração. Todo mundo ama, nem que seja a si mesmo. Dizem que não é preciso falar e sim demonstrar, mas já repararam como é gostoso, agradável saber que existe uma pessoa, entre os bilhões no mundo, que te ama?! Sim, isso é importante!

    Antes de prosseguir, uma nota de esclarecimento: NESSE POST TRATAMOS DE AMORES SINCEROS, MESMO AQUELES "IMPOSSÍVEIS" OU QUE SE TRANSFORMARAM COM O TEMPO. O QUE IMPORTA É QUE TENHAM SIDO VERDADEIROS. NÃO SE REFERE AO "AMOR" RESPONSÁVEL PELO ENTROSAMENTO, INTERESSES OU COISA DO TIPO, ISSO MEU CARO, É CARISMA, NO MÁXIMO.

    Então desde já, não vou especificar o termo amor, até porque, ainda que tenha cinco significados, todos estão relacionados a um único objetivo: doar-se, amar mais ao outro do que a si. Assim como fez o real significado de amor: Jesus ♥, Aquele que começou com os "lances dos carimbos".

    Mas sim, retornemos a pergunta, sabe porque é difícil dizer que ama alguém? Porque palavras não são suficientes, porque quando se ama o coração fica dilatado, bobo e você sente o peso das palavras, fica com MEDO de desvalorizá-las.

    Particularmente, eu gosto de dizer que amo, assim como gosto de dizer tudo o que sinto, por mais difícil que seja. Eu vivo cada um dos significados (não acredito que o amor se limite só a essas explicações, mas respeitemos nosso coleguinha Aurélio). Acredito no amor que liberta, que confia, que respeita. Que é bondade, que por mais que de alguma forma traga junto a dor, prefere senti-la do que proporcioná-la ao outro. Como já disse São Paulo na carta aos Coríntios: "O amor é paciente, o amor é prestativo, não é invejoso, não se ostenta, não se incha de orgulho, [...], não procura seu próprio interesse, [...], não guarda rancor. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo supera.".

    Peço desculpa pelas vezes que amei mais a mim do que a vocês, é que ainda "estou aprendendo também ♪".

    Mas deixo com vocês a pergunta bastante conhecida: "E hoje em dia, como é que se diz: 'eu te amo'?" (Renato Russo)

    Como você diz? Por que é tão difícil de dizer?

    Respostas são mutáveis, o amor é permanente.

    Eu amo isso,

    sábado, 14 de agosto de 2010

    muita coisa, pouco tempo e correria geral!

    Faltavam 20 minutos para a primeira hora do novo dia e, nesse momento, nascia esse post. De verdade verdadeira, ele não nasceu com intuito de ser publicado, mas como um alerta da consciência, para me lembrar de algumas coisas que devem ser feitas.

    • Trabalhos da Faculdade
    Sim, eu passei na UECE. Prometo - pra mim mesma -  que assim que acabar esse semestre contarei tudo que aconteceu até seu encerramento. Mas agora, só na reta final, as coisas apertaram e tenho que correr. Estamos na metade do mês, tenho cinco disciplinas e só estou "tranquila" em duas! Tenho que entregar dois trabalhos atrasados na segunda e tô aqui, postando; tenho que ler, resumir e pesquisar sobre um monte de filósofos chatos, mesmo sabendo que não possuem "teorias corretas", com exceção do último; tenho que elaborar um seminário que seja dinâmico, envolvente e não tenha recursos tecnológicos; tenho um "curso", vamos dizer assim, de segunda a quarta.
    • IBGE
    Sim, passei também no concurso de recenseador, tenho que terminar o setor pra só assim receber meu 1º salário.
    • feelings ♥
    Encontros "semanais", que deveriam ser bem mais, onde tenho que estar bem.
    • Amigos
    Nunca mais saí com minha amigas, nunca mais as tratei mal, nunca mais conversamos, fofocamos... #I♥pimponas; Minha amiga que estuda fora vai voltar pra faculdade do semiárido, em Mossoró, segunda e não tenho mais tempo para estar com ela;
    Tem as meninas da facul, que me chamam de furona, mas só marcam eventos impossíveis!
    • #Projeto Submundo
    • Caminhada com Maria
    • Aposta 
    Inter x Chivas. Lógico que apostei no Chivas, mas tenho quase certeza que vou perder. O preço apostado é alto.
    • Tem o Encontrão dos Pais (aonde sempre vou, por opção, só) e a Reunião de Círculo.
    • Tem uma festa que o Renato e o PF vão realizar e eles querem que eu vá.

    E tem muita coisa, pouco tempo e uma correria geral! Então, peço-vos que sejam bonzinhos e compreensíveis comigo, gostem - hahaha, zoando - dos meus mini-posts-diários-semsentidonenhum,masde que eu faço enquanto não posso contar nada de espetacular, ok?!

    Até loguinho.

    sexta-feira, 13 de agosto de 2010

    é tão forte quanto o vento quando sopra...podes crer, eu tô falando de amizade ♫, saca?

    De um bom tempo pra cá, tenho me torturado para escrever coisas decentes aqui, coisas que me empolgassem, mas tem sido bastante difícil. Ontem aconteceu uma coisa, que me deu uma luz: os posts que mais gosto são os que conto situações diárias, que por mais simples, tolas, tristes que sejam, despertaram algo maior em mim quando aconteceram. No inicio do blog, eu citei algumas situações que dividi com meus amigos. Por mais que tenham sido situações triviais elas foram importantes pra mim. 

    Estava eu, no MSN, quando deveria estar fazendo um trabalho que já estava atrasado, e fica online um amigo meu. Desde pequeno ele sempre foi o melhor aluno da sala, chorava quando tirava nove, mas ao chegar ao ensino médio ficou de recuperação logo no meio do ano! Nossa história é engraçada. Por puro interesse ele quis ser meu amiguinho no colégio. Eu fazia parte de um trio de nerds, quem vê pensa e ele resolveu se chegar pelas beiradas, foi puxando assuntos aleatórios e quando notamos, tínhamos acolhido ele.

    Desde então, só crescemos juntos. Aumentamos o grupo, resolvemos problemas internos e caminhamos, sempre em frente, carregando nossas ideologias, sonhos e projetos, tanto os individuais quanto os coletivos.
    Isso de ver a pessoa todo dia tem seu lado bom, isso mesmo, detesto essa rotina da vida, você conhece a pessoa de cabo a rabo, sabe quando ela ta pra papo, sabe quando ela ta um saco, sabe quando ela tá armando planinhos... É assim com a gente, ele diz que eu sou a pessoa mais inconstante e previsível que ele conhece e eu gosto disso.
    Aqui não cabe contar nossas mil e uma histórias, nossas discussões por “Minha Geração É Uma Vergonha”; gostar de um jeito que não é pra gostar; tratar assim quando tem que tratar assado; quem é a cabeça, o cérebro ou o coração da nossa sociedade.
    Aqui só cabe uma coisa: nossas crises existenciais. 

    As minhas crises são como uma descarga elétrica, onde todo mundo que ta perto de mim leva um choque e só permanece quem, por amor, aguenta ficar ao meu lado e levar outra descarga, sem aviso prévio. Acredito que ele seja umas dessas pessoas que gostam de ser pegues de surpresa com uma energia descarregada.
    Na noite passada ele estava com uma coisa que perturbou a cabeça dele desde domingo (mais detalhes aqui). Estava em crise "PFana" como diríamos, e ele só precisava desabafar.
    Como eu estava lá, online na hora certa, deu tudo certo, ele conseguiu enxergar o verdadeiro tesouro e ainda teve a gentileza de me incluir nele. 

    Tá de parabéns, por ser tão P.S.B.A.F, se não, não teria a mínima graça. Obrigada por tudo, por cada olho aberto, por cada respeito ao meu espaço, por cada briga inútil, por cada loucura elaborada, por cada sequestro falho e principalmente por todo o amor devotado. Eu te amo, sem mais .

    "O que é, meu irmão eu sei o que te agrada e o que te dói. É preciso estar tranquilo pra se olhar dentro do espelho... seja você quem for, eu te conheço muito bem. E isso faz bem pra mim, isso faz bem pra vida!
    Onde quer que vá eu vou estar também..."

    Eu gosto de escrever sobre os meus amigos, eles dizem quem eu sou.
    Eu tenho um pouquinho deles e eles têm um pouquinho de mim.
    Se você é meu amigo e, tem um pouco de mim em você ou plantou uma sementinha sua em mim, mas não tem um post sobre você, lembre-se isso aqui não diz porra nenhuma!
    É só um blog que trata de assuntos particulares de maneira aberta. Aqui se encontra meus gostos e desgostos, meus sonhos e pesadelos.
    Quer saber, se você é mesmo meu amigo, não precisa de explicações, Rá!

    quinta-feira, 12 de agosto de 2010

    Preserve-se

    Preserve sua pessoa, 
    preserve sua dignidade, 
    seus princípios e 
    seus compromissos.

    Tenhamos Caráter e Dignidade!
    Sejamos interessantes.

    quarta-feira, 11 de agosto de 2010

    Criado-Mudo

    Eu acho que tenho certeza daquilo que eu quero agora.
    Daquilo que mando embora, daquilo que me demora.
    Eu acho que tenho certeza daquilo que me conforma,
    daquilo que quero entender e não acomodar com o que incomoda...



    domingo, 8 de agosto de 2010

    Meme: Conhecendo mais sobre mim

    Hoje é domingo e já são mais de 22h, daqui a pouco minha mãe aparece pela porta me mandando dormir e já viu, já começo o recomeço sem post e esse texto vira mais um dos meus eternos rascunhos.

    Eu quero: colocar isso em dia e minha agenda também. #Ibelive
    Eu tenho: medo.
    Eu gostaria de ter: mais disposição para fazer várias coisas. 
    Eu gostaria de não ter: essa preguiça de quase tudo.
    Eu acho: que sou estranha.
    Eu odeio: que as pessoas me tratem como uma menina de 12 anos.
    Eu sinto saudades: de quando eu podia ficar de calcinha pela casa.
    Eu faço: Serviço Social na UECE.
    Eu fiz e não faria de novo: ficar com um menino desconhecido em uma festa. #fail
    Eu fazia e deixei de fazer: falar tudo o que me vinha na cabeça, sem pensar, disparando ferimentos em corações.
    Eu escuto: um monte de coisa, depende do meu humor, do meu coração, da minha curiosidade.
    Eu cheiro: Uma coisa ali. Huahuahua, frescura, não sei.
    Eu imploro: à Deus todos os dias, para que as coisas aconteçam de acordo com vontade Dele.
    Eu me pergunto: se eu vou ser assim, indecisa, para sempre?
    Eu me arrependo: de ser bobona, de tratar mal as pessoas que mais me amam e de ser orgulhosa.
    Eu amo: minha família, meus amigos, meus valores, meus princípios.
    Eu sinto dor: por ainda não ser totalmente quem eu quero, de verdade.
    Eu sinto falta: de uma pessoa, que poderia estar comigo até hoje, se não fosse os caminhos da vida.
    Eu sempre: sigo em frente, mas olhando, vez ou outra, para trás.
    Eu não fico: morrendo de amores, tudo passa.
    Eu acredito: no amor, e nas suas diversas formas.
    Eu danço: mal pra caralho, mas morro de vontade.
    Eu canto: tão mal, ou até pior quanto danço, mas eu gosto de acompanhar a música.
    Eu choro: muito! Sou uma chorona assumida, acho que as lágrimas são as reações da alma, assim como os verdadeiros sorrisos.
    Eu falho: em grande parde das coisas que faço. Sou humana. E me perdoo por isso.
    Eu luto: pela disseminação dos meus princípios.
    Eu escrevo: e gosto! Mas não tenho escrito tanta coisa como antes.
    Eu ganho: e gosto também, hahaha. Ninguém gosta de perder.
    Eu perco: tempo, o tempo todo.
    Eu nunca: fui sozinha, sempre tenho alguém por perto.
    Eu estou: levando a vida. Eu estudo, trabalho no IBGE, tenho amigos e vou indo.
    Eu sou: antipática, mas cativante.
    Eu fico feliz: quando faço algo de coração e vejo a satisfação no rosto do outro.
    Eu tenho esperança: de um mundo melhor.
    Eu preciso: ler a bíblia, preciso julgar menos, deixar de ser a dona da razão, estudar de verdade...
    Eu deveria: tirar uma lição de cada dia da vida.

    Meme pegue, como todos, do Poison. Indico para quem quiser, mas em especial pro meu amigo, PF que está de blog novo.

    Hiatos do Blog

    Eu sei que eu sou a pior blogueira de todos os tempos.
    Que além de ausente eu ainda escrevo coisas antigas e desatualizadas, além de não trazer nenhum crescimento pra quem ler isto aqui...

    Pronto, fora a parte emo do post, eu tô aqui pra dizer que esse ano tá muito do corrido!
    Que eu não faço nada, mas também não tenho tempo pra oscilar por aqui.
    Tem tanta coisa que eu não contei, mas eu tinha/tenho que contar e outras tantas que eu nem sei mais se ainda é pra escrever...
    Nem minha agenda tá em dia. #fail
    Mas eu vou tentar, outra vez, por uma ordem por aqui.



    E lá vamos nós...


      (per)seguidores

      No Google+