segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Escolhas de uma vida...

A certa altura do filme Crimes e Pecados, o personagem interpretado por Woody Allen diz: “Nós somos a soma das nossas decisões”.
Essa frase acomodou-se na minha massa cinzenta e de lá nunca mais saiu. Compartilho do ceticismo de Allen: a gente é o que a gente escolhe ser, o destino pouco tem a ver com isso. 
Desde pequenos aprendemos que, ao fazer uma opção, estamos descartando outra, e de opção em opção vamos tecendo essa teia que se convencionou chamar “minha vida”.
Não é tarefa fácil. No momento em que se escolhe ser médico, se está abrindo mão de ser piloto de avião. Ao optar pela vida de atriz, será quase impossível conciliar com a arquitetura. No amor, a mesma coisa: namora-se um, outro, e mais outro, num excitante vaivém de romances. Até que chega um momento em que é preciso decidir entre passar o resto da vida sem compromisso formal com alguém, apenas vivenciando amores e deixando-os ir embora quando se findam, ou casar, e através do casamento fundar uma microempresa, com direito a casa própria, orçamento doméstico e responsabilidades.
As duas opções têm seus prós e contras: viver sem laços e viver com laços…
Escolha: beber até cair ou virar vegetariano e budista? Todas as alternativas são válidas, mas há um preço a pagar por elas.
Quem dera pudéssemos ser uma pessoa diferente a cada 6 meses, ser casados de segunda a sexta e solteiros nos finais de semana, ter filhos quando se está bem-disposto e não tê-los quando se está cansado. Por isso é tão importante o autoconhecimento. Por isso é necessário ler muito, ouvir os outros, estagiar em várias tribos, prestar atenção ao que acontece em volta e não cultivar preconceitos. Nossas escolhas não podem ser apenas intuitivas, elas têm que refletir o que a gente é. Lógico que se deve reavaliar decisões e trocar de caminho: Ninguém é o mesmo para sempre.
Mas que essas mudanças de rota venham para acrescentar, e não para anular a vivência do caminho anteriormente percorrido. A estrada é longa e o tempo é curto. Não deixe de fazer nada que queira, mas tenha responsabilidade e maturidade para arcar com as conseqüências destas ações.
Lembrem-se: suas escolhas têm 50% de chance de darem certo, mas também 50% de chance de darem errado. A escolha é sua!
Pedro Bial

Doug Funny e Confissões de Adolescente

Em uma sexta feira, daquelas que a gente não tem o que fazer e simplesmente zapeia pelos canais de TV, redescobri minha infância. (:
Me deparei com "Oi, eu sou o Doug". Fiquei tão feliz, tão feliz!
Acho que foi o melhor desenho que assisti quando era criança.
Sempre escrevendo em seu diário, sonhando ser o super-herói O Homem Codorna, vivendo eternas aventuras com seu fiel amigo Costelinha e o seu amigo Skeeter, sua paixão secreta por Patti Mayonnaise, além do seu inimigo, Roger, o valentão da escola.
A imaginação de Doug reage a várias situações de sua vida, o ajudando a superar seus medos. Acho que é por isso que sempre gostei dele.
Aqui tem um vídeo da Abertura.

Nesse mesmo dia, em seguida, assisti Confissões de Adolescentes.
Produção brasileira baseada nos diários de quatro irmãs - Maria Mariana, Déborah Secco, Georgiana Góes e Daniele Valente adolescentes na época -, falando de maneira franca sobre temas polêmicos como aborto, doenças sexualmente transmissíveis, drogas, relacionamento com os pais, menstruação, namoro, problemas de saúde, conflitos profissionais e outros assuntos do universo adolescente. Elas acabam descobrindo como superar, aprender e crescer nessa fase tão difícil, para finalmente se tornarem mulheres.


Bons tempos...

Ah, Confissões de Adolescente passa nas sextas, 18h e Doug passa de segunda a sábado, 17h30 na TV Cultura, filiada à TV O Povo, canal 48.

Quem viver verá.

Ele


Conheci ele no Terço do Jovens, mas não falei com ele desde o início. Só fui falar depois, quando os veteranos eram responsáveis pelo acolhimento. Lembro que fomos ficando amiguinhos em 2008.

Ele é uma boa pessoa e nossa amizade foi crescendo aos poucos, sem muitos detalhes. Tornamo-nos bons amigos. Não sabia exatamente como esse laço começou, mas a cada encontro ele se fazia mais especial.

Com o tempo algumas coisas em comum nos deixaram mais próximos. Eu pude o conhecer melhor e até me conhecer melhor. E ele sempre falava: "Nada é por acaso, tudo é providência". À medida que o tempo foi passando nós fomos brigando e se resolvendo. Brigando mais e se resolvendo de novo... E nosso relacionamento seguiu esse ritmo de dança. Acho que posso afirmar que temos uma amizade mais forte e meio despreocupada com a preocupação, eu diria.

Às vezes fico em dúvida se sou uma boa amiga pra ele... Mas nós temos conseguido nos adaptar ao outro, com nossos limites, nossas esperas e nossa paciência.

Desde então, passamos por algumas fases: a época do ciúme - que eu sentia em particular -; do desprezo, que ele achou que eu merecia; e até da cor que nós permitimos dar a essa amizade. Todas elas foram necessárias e são peculiaridades nossas.

Feliz dia teu! Muita maturidade e aprendizados na vida.
Te amo, bobo.

Clube da Luluzinha

Depois que você sai do colégio, sempre fica aquele clima...
Um pouco de medo de perder aquelas pessoas que dividiram momentos importantes de choro ou/e de riso, ou que fizeram parte da sua chata rotina, durante um ano inteiro. Isso aumenta de uma forma muito maior quando no ano seguinte não tem mais colégio. Não é apenas o fato de ir pra outro lugar, ter que se adaptar... É o fim de uma etapa, de tudo aquilo.
Minhas amigas combinaram de se ver, conversar, jogar conversa fora mesmo, em uma tarde dessas... Fofocamos as maiores asneiras possíveis, comemos pizza e conversamos muito!

A gente muda sim com o fim das etapas. Mas os relacionamentos permanecem, se ambos os lados quiserem. Nós, queremos!

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Casamento da Prima

No ultimo dia 30, minha prima paterna mais velha casou. Eu não sou tão próxima da família do meu pai, mas eu gostei bastante de ter sido convidada.
Meus pais se separam quando eu ainda era pequena. Isso foi um grande choque pra mim, e algumas vezes, fez com que eu me distanciasse da família dele. Não que eu goste menos da família dele, mas a gente acaba se apegando mais a quem tá sempre perto...

Ela casou na Igreja do Pequeno Grande, foi um dos casamentos mais lindos que eu já vi. Ela estava encantadora, assim como foi a cerimônia. Depois, sua recepção foi uma das melhores festas que já participei. Estavam lá os meus irmãos... E eu fiquei muito feliz de estar ao lado deles.
Fui tudo muito lindo, organizado e planejado.
Felicidades ao casal, que sejam bem felizes nessa nova vida.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Status: Ausente :)



Estou um pouco ausente, enquanto não sai o resultado da UECE...
Envolvida na saga Twilight. Volto assim que acabar...

Ah, vale a pena conferir: Mania da Lilla. Ela escreve bem, viu?! Conseguiu traduzir alguns sentimentos.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Breve tratado sobre alguns amigos :D [3]

Tenho uma amiga que estudou comigo quando éramos pequenininhas. Com o tempo, fomos nos afastando e através do EJC, fomos unidas novamente. Mesmo circulo e com o tempo, fui aprendendo a gostar dela e do seu jeito aperreado. 

Mas tem outra que eu nem sei o porquê da amizade. Acho que foi no Terço do Jovens e eu fui gostando dela assim, sem perceber. E desde o ano passado pra cá, ela tem sido cada vez mais especial. É cada vez melhor ser amiga dela. Somos diferentes, pensamos diferentes, mas nem por isso há discussões, ela respeita a minha opinião e eu respeito a dela... Tão bom pra mim isso... Aceitar os outros do jeito que eles são...

Saí com ambas uma dessas noites e foi ótimo. Primeiro, porque elas são divertidíssimas e segundo, porque em meio às fofoquinhas, e novidades que sempre temos, nós transformamos bobeiras em momentos especialíssimos. malucas...

A terceira é "Cheia de riqueza" pra dividir. Ela já era do EJC quando cheguei. E eu sabia quem ela era. Mas assim como eu, ela não é muito adepta a "amizades repentinas", então só fomos ficar próximas mesmo quando tivemos oportunidade de dividir atribuições no grupo. Juntas nós vencemos nossas vergonhas, dançando "Boom Boom Pow". Foi muito divertido, desde então, e aos poucos, ela foi ficando importante e mais especial na minha vida. E nos últimos dias disse isso a ela. Foi bom, ela confiou em mim e eu me senti realmente amiga dela.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Breve tratado sobre alguns amigos :D [2]

"Em resumo, esse é meu blog e é aqui que eu vou colocar o que eu penso."

Uma vez por outra me pergunto, o que colocar em um blog. Tenho receio de abrir muito minha vida pra esse mundão da Internet. Mas aqui, apresento-lhes amigas completamente diferentes, mas igualmente essenciais na minha vida.

A primeira conheci na 8ª série, meu primeiro ano no Colégio São Vicente. Ela era meio arisca, não se deixava muito envolver, mas fomos nos completando... No ano seguinte, nossas amigas saíram do colégio e seriamos só nós duas. Conhecemos outros amigos e continuamos firme e forte, até hoje. Apesar de algumas muitas diferenças, nós conseguimos sobreviver a elas... Brigamos muito, discutimos mais, mas nos entendemos muito bem. Temos uma personalidade muito parecida, aquela história que dois bicudos não se bicam... Mas aqui se bicam e voam muito juntos...
Ela foi a primeira amiga com quem falei depois do resultado da UFC. Conversamos muito tempo no telefone, falamos das nossas reações, das nossas vidas desde então e dos planos para o futuro. É realmente difícil saber o que fazer depois do vestibular. Eu, não vejo a hora de estudar, quero ser jornalista, eu tento até pensar em Serviço Social na UECE, mas só me vem isso à cabeça, meu sonho, desde a 6ª série, quero ser jornalista! A minha amiga disse que não estava muito a fim de estudar esse ano não. Que foi até "bom" não ter passado, não sabia se era pra ser isso mesmo da vida ela. Acho isso meio triste e louco. Mas alguns rumos da nossa vida têm que ser tomados por nós mesmos...


A segunda amiga é uma pessoa maravilhosa, maravilhosa mesmo! Quando começamos a ser amigas, foi quando fui fisgada por seu jeito cativante, carismático... Uma pessoa tão doce... 
E desde então, vê-la no Terço dos Jovens, na Missa, era tão bom. Fomos construindo uma amizade exatamente como eu acho que as amizades devem existir: com calma, paciência, respeitando o limite de cada uma, a velocidade com que as pessoas se abrem pra você...
"Talvez estas palavras sejam insuficientes pra expressar toda a minha admiração, meu AMOR, minha AMIZADE e todo o meu respeito por ti AMIGA. [...]" sei que ela lembra...
E desde então, ficar junto dela foi cada vez melhor, cada vez mais real. Nesses dias, fui a casa dela, levei os livros das obras da UFC do ano passado que ela havia me emprestado e uns livros com questões de Física, Química e Biologia - ela tá na 2ª fase de Medicina na UECE.
Conversamos muito, muito, muito mesmo! Sempre acontece isso com a gente, perco a noção de hora, de tempo. Amo demais! 

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

UFC

Dia 25 de janeiro, quase meia-noite. O som ligado, aquela música distante, o sono quase se apoderando totalmente de mim... De repente, aquela música que não vinha do rádio - tava escutando Atlântico Sul FM (103,9) - "Bad Romance", meu celular!

Atendi quase que automaticamente, pensando: "bem feito, quem manda dormir com o celular embaixo do travesseiro".
- Alô?
- Jéssica, tava dormindo?
- Não, tava não... Que foi?
- Jéssica, eu não passei no vestibular...

Olhei de quem era o número: uma das minhas amigas. Acordei de verdade.
-  Foi... Nossa... Que pena... já saiu hoje?
- Aham, algumas das meninas passaram, mas eu e outra não passamos...
- Xii... e tu viu a minha?
- (Silêncio)
- TU VIU SE EU PASSEI?
- É melhor tu ver...
- Tá... Vou ver agora...

Quando desliguei o celular, toda aquela esperança já tinha se perdido 80%. Abro a porta do quarto, o telefone da minha casa toca. É meia-noite, deve ser uma boa notícia, quase não consigo atender... Mas era só meu tio, do lado de fora, pedindo que abrissem o portão.

Fui pro computador, lógico que o site da UFC não abriu. Entrei no MSN pra ver se tinha alguém que tinha visto... Pessoas falaram comigo assim que entrei. Uns chateados porque não tinham passado outros contentes, pois haviam sido aprovados... E eu ali, na angústia, com meus 20% se perdendo a cada respiração...

- Já conseguiu ver Jéssica?
- Ainda não, tá congestionado.
- Quer que eu te fale? Ou tu quer ver?
- [1% de esperança encontrada] Eu quero ver.
- ARQUIVO UFC APROVADOS.pdf
- Eu não passei...
-Pois é...

[...]

Foi a sensação mais estranha da minha vida. Eu não tava triste, eu não tava feliz, eu tava VAZIA!
Continuei a ler a lista, reconheci alguns nomes... Era muito egoísmo meu ficar triste, tanta gente que eu conheço estava aprovada...

Só fui dormir lá pras duas horas da manhã... Não conseguia, as lágrimas caiam em silêncio. E na cabeça, pensamentos, emoções e sentimentos se misturavam. Mandei SMS pras pessoas que estavam esperando pelo resultado, que acreditaram, torceram por mim: minha mãe, meus tios e amigos.

No outro dia, minha mãe me deu colo, abraço, disse que eu não deveria desanimar, ir atrás... Fiquei deitada, as pessoas ligavam, minha vó atendia e contava de ontem - ela tava do meu lado no momento que recebi a notícia.

Fui à casa das minhas amigas, parabenizá-las... Uma delas disse que tava com medo de falar comigo, porque eu disse que se não tivesse passado, não queria ver ninguém, não queria nada... Mas até que me saí bem. Mas mesmo assim tive que lidar com os comentários da minha avó sobre como outras pessoas acordavam às 4h pra estudar...

Vi meu resultado individual, 116. Subi 78 posições, mas ainda assim, não foi o suficiente. Minhas notas todas acima da média, mas ainda assim, não foi o suficiente... Ah, chorei muito, muito mesmo. Liguei pro povo chorando, tentei falar com as pessoas, mas não saía nada... Minha mãe veio me acalentar, ficou comigo, conversamos... as coisas foram se acalmando e eu fui dormir... Ah, mãe da gente é um caso sério né? As pessoas me mandaram mensagens de motivação e eu fui entendendo as etapas da vida e aceitando o tempo de Deus.
Quem estava vivo viu.

One Tree Hill

Desde o dia que vi a Nova Cinderela, me bateu uma saudade de One Tree Hill - Lances da Vida -, que eu assistia aos sábados e o SBT simplesmente resolveu deixo de passar. Então resolvi fazer meu primeiro download de séries! Baixei a 1ª Temporada e estou assistindo já... Eu adoro, me envolvo, dou risada... E ainda me dá vontade de falar inglês - uma língua que não me encantava nada! Vou dormir falando inglês, pensando no próximo episódio que vou assistir, que vou baixar, qual frase de efeito vou refletir... Ah, faço download desse site, é bom, grátis e seguro. Além de uma enorme variedade de filmes, séries, músicas, jogos, livros, shows... É uma maravilha. Quem não gosta de OTH pode escolher outra série que você encontra lá, vale a pena conferir!

(per)seguidores

No Google+