terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Adeus 2011, bem vindo fim do mundo.

Eu acho que esperei ansiosamente por este post. Desde um bom tempo venho tentando reunir coisas que aconteceram durante o ano para contar aqui. Acho que tudo tem haver com a certeza, não só esperança, que deposito em 2012. Além do mais, eu adoro essa coisa de fim de ano. Acho que é um dos raros momentos onde podemos reunir o passado e o futuro no presente, é como se o tempo não fosse tão incontrolável assim. 

O ano de 2011 não foi um ano ruim, muito pelo contrário, foi um ano muito bom, muito cheio de compromissos e muito rico em novidades. Entretanto, 2011 foi um ano duro, um ano em que mudanças tiveram que acontecer e fazer escolhas foi extremamente necessário.


Não foi só minha vida que teve grandes fatos ocorrendo, o mundo todo passou por muita coisa no decorrer do ano, como a Revolta Árabe, que uniu descontentes e derrubou ditadores; a licença concedida pelo IBAMA para o inicio das Obras e Belo Monte e a aprovação do Código Florestal pelo Senado; foi registrado o 1º casamento civil gay do Brasil; morreu aos 27 anos Amy Winehouse, aos 34 anos a Lacraia, aos 56 anos Steve Jobs, aos 57 anos Sócrates e aos 79 anos ex-vice-presidente José Alencar; o Facebook se tornou a rede social nº 1 do Brasil; a crise financeira do capital atingiu a Europa e os EUA, no meio dessa crise surgiu o Ocupe Wall Street, contra a influência empresarial na sociedade americana; o Lula foi diagnosticado com câncer e o Gianecchini descobriu um linfoma; alunos da USP invadiram a reitoria e foram retirados pela PM; Anderson Silva nocauteou o Belfort; o Ceni fez o centésimo gol em cima do Corinthians; o príncipe William casou com a plebeia Kate; o Osama Bin Laden foi morto, assim como o Muammar Kadafi; o McCartney veio ao Brasil, mas não ao PV, como gostaria o Filipe Passos; Sindicatos gregos convocaram os trabalhadores a deixarem seus postos para protestar contra as medidas de austeridade fiscal tomadas pelo governo, que teve como consequência uma recessão; o Papa twittou pela primeira vez; Professores de 21 Estados param para cobrar o piso nacional; nasce o filho do Neymar; Rafinha saiu do CQC e foi processado pela Wanessa Camargo; Fátima Bernardes deixa o Jornal Nacional; aconteceram centenas de marchas por todos o país; o Parajana foi extinto; entre tantas outras catástrofes nacionais.

E na minha "nada mole vida", muitas coisas aconteceram em diferentes óticas. A maioria dos fatos que se sucederam se deram devido ao fato de ter assumido o cargo de Jovem Palestra do EJC, durante o ano de 2011. Eu tinha dito que faria um post sobre isso, mas não fiz, nem farei mais, existem algumas coisas que por mais que a gente escreva não vai ser o suficiente e não vai conseguir contemplar tudo que foi vivido, ou ainda, como disse alguém que sabe mais do que eu, algumas coisas precisam ser vividas e não eternizadas em palavras ou fotografias. Ser dirigente foi o que eu escolhi ser prioridade para esse ano de 2011 que se encerra. Às vezes é necessário tomar algo como prioridade, para que pelo menos intencionalmente, possamos dar o melhor de si para a construção de algo. Graças ao EJC acabei dando duas palestras por ECC, o que me deixou ansiosa, feliz e me trouxe reflexões sobre quem somos e como nossa vida pode de um jeito ou de outro ajudar a transformar a vida do próximo; além de ter a oportunidade de conhecer o EJC em outra paróquia e fazer amigos na Aerolândia. Foi também por trabalhar no EJC que eu pude conhecer pessoas excelentes, que eu espero ter por perto por longos anos ou sendo mais pessimista, manter contato suficiente durante 2012. Suficiente, que me refiro é tanto quanto esse ano, se vendo pelo menos 10 vezes ao mês. 

Fora o EJC, a responsabilidade que me foi atribuída: ser bolsista do projeto de extensão Serviço Social UECE / Serrinha - Troca de Saberes, no qual desenvolvemos um projeto que me fez crescer muito, como assistente social, como estudante, como Jéssica. Esse ano foi extremamente importante pra minha carreira de estudante. Eu ampliei minha visão de mundo e tive que me deparar com quem ainda não conseguiu fazer isso; fui a um ato em defesa das universidades estaduais do Ceará e outro, pela luta do piso salarial nacional dos professores; fiz a seleção pra ser bolsista do PETSS, mas não fui aprovada; então conheci o LAPESS (Laboratório de Pesquisas e Estudos em Serviço Social), entrei para o grupo de estudos sobre Questão Urbana, Questão Rural e Serviço Social e acabei sendo aprovada pra bolsa de extensão; fiz diversos minicursos sobre varias temáticas diferentes; assisti aula de outro curso; fui à primeira vez a um happy hour e bebi tequila, depois de dois na universidade; assisti a um filme (Batismo de Sangue) que me fez chorar uma semana inteira; Viajei e participei do III ENNTEFH em Maceió e gastei maior grana e conheci feras como Sergio Lessa, Ivo Tonet e Cristina Paniago; tive que tomar quatro copos de energético pra poder ficar acordada por 12h pra terminar meu projeto de pesquisa; resolvi que vou fazer serviço social, que quero fazer mestrado e tudo, graças às disciplinas como Trabalho e Sociabilidade e Política Social e às grandes mulheres que lecionaram elas para mim. 

Ao se tratar de cultura cinéfila, meu ano foi bem recheado, graças à Deus, à minha mãe e à minha bolsa. Durante o ano eu fui 14 vezes ao cinema, vi De Pernas Para o Ar (com a Amanda, mantendo a tradição do nosso primeiro cinema anual, e a Patrícia), Rio (a primeira ida do João Vitor da Sarah ao cinema), Piratas do Caribe: Navegando em Águas Misteriosas, Harry Potter e as Relíquias da Morte pt. II, Os Smurfs, Planeta dos Macacos, Gigantes de Aço, Os Três Mosqueteiros, Contágio, Atividade Paranormal 3 (mesmo não tendo assistido nenhum dos dois primeiros e ter ficado boa parte do filme de olhos fechados), Amanhecer pt. I, O Palhaço (indo a primeira vez sozinha ao cinema, por uma vontade do acaso), O Preço do Amanhã, e Os Especialistas. 

Já quando se fala em cultura musical, a lista foi um pouco mais reduzida. Vi subir ao palco em 2011 Kid Abelha, Vanessa da Mata, Os Paralamas do Sucesso (duas vezes), Jota Quest, Skank, Dominus, Missionário Shalom, Alto Louvor, Kelly Patrícia, Davidson Silva, Adoração e Vida, a Banda da Marinha com o meu querido saxofonista Renato Maranguape. Ganhei um ingresso para o show do Nando Reis, mas não fui por uma série de fatores que não justificam a burrice. 

Quando o assunto é humor perdi pontos significativos se comparado com 2010, só fui a dois shows este ano, o do Fabio Porchat e do Murilo Gun, que era um festival e eu tive a oportunidade de conhecer o trabalho dos meninos do Ceará, o Galetto e o Glayco e virei uma fã meio torta, super divulgo o Humorragia, mas não os vi nenhuma outra vez no ano.

No quesito livros, eu também fui muito ruim esse ano, acho que só li quatro livros esse ano, a maioria fruto da primeira compra online que fiz: Amores Incertos, Bilionários por Acaso: a criação do Facebook, Coisas da Vida e O Pequeno Príncipe, fora os que leio porque meu curso me pede; além disso, abandonei dois e estou sofrendo pra ler um. Isso é uma vergonha muito grande. Usei o skoob como ferramenta de troca e ganhei dois livros novos. 

Cultura sempre foi um investimento prioritário na minha lista, só perde pra comida. Eu gasto demais com comida e não foi diferente em 2011. Eu tenho certeza que se eu tivesse mais dinheiro eu seria obesa, como eu não tenho, engordei 4 kg durante o ano e eles gostaram bastante de mim e não me deixaram mais. A culpa disso é das Caranguejadas em família; das saídas com o pessoal da época do São Vicente, que me fez até beber cerveja, que nem fã eu sou; das saídas programadas ou não dos Malucos Beleza, onde sempre acabamos cozinhamos ou vamos comer pizza; das vezes que a Deisy me levou pra comer pastel ou para rodízio de pizza, do almoço no shopping com a Jéssica Holanda e a Gaby; da Aline que sempre quer me engordar me estimulando a comer torta no intervalo das aulas; do Paulo Filho e sua progenitora, que me levam pra comer pizza com cerveja sem álcool ou ainda quando nos oferece (a mim e aos demais malucos) pizza para que arrumemos a sua mala para os EUA; dos meu marujos (sim, sou a capitã Jesk Sparrow) que me deixam comer até passar mal no Rodízio de Massas; do Renato que faz almoço de despedida; da tia Dinha que me deixa comer duas bolas gigantes de sorvete na 50 sabores; sem esquecer os momentos em que estou carente e faço panelas de brigadeiros e bolos de chocolate. 

Como no ano que chega a gente tem balancear o que já foi vivido, resolvi que vou investir menos em comida e mais em saúde. E é aí que surgem as primeiras promessas de 2012, eu vou praticar alguma atividade física, vou ao ginecologista, dentista, dermatologista e nutricionista. Tudo isso é culpa de vocês, suas melhores más companhias do mundo! 

Algumas coisas também conseguiram se destacar nesses 365 dias em que vivi: Fui somente duas vezes à praia nesse ano, uma vez no início do ano, se cumprindo mais uma tradição dos Malucos Beleza e outra quando viajei à Maceio. Esse ano eu consegui fazer uma coisa que prometi na retrospectiva anterior, dedicar um tempo maior aos meus amigos Malucos Beleza. Fomos ao Ytacaranha Park, Eles vieram me ver tarde da noite, quando eu não pude encontrá-los; usei de Martha Medeiros para amá-los poeticamente; fizemos três promessas para o futuro; fomos deixar e buscar o Paulo Filho no aeroporto; tomamos licor de menta do Renatinho, em uma festa estilo Cilada.com, que ele é o melhor do melhor do mundo em fazer e no aniversário de 20 anos da Paty; fomos ao Ypark com os amigos marinheiros que o Renato me deu; também andamos de patins; e fomos à Praia de Iracema, ver a lua com o telescópio; vimos o Renato se formar em Marinheiro e o vimos partir para uma temporada de dois anos no Rio, então decidimos que passaremos o ano novo de 2012/2013 lá, estarei escrevendo um texto desse estilo do Rio de Janeiro, daqui a um ano

Já com as Pimponas, foi totalmente o inverso. Nós nos reunimos bem menos esse ano, talvez porque todas estavam muito ocupadas, talvez porque a necessidade desse grupo se reunir seja menor que a do outro, eu não sei, só sei que fizemos nossa confraternização no inicio do ano, e um Pimponas Night em julho. Depois disso, nenhuma reunião oficial, só encontros em aniversários, e em eventos do EJC ou da Igreja. 

Eu tentei cumprir minha lista de desejos, ou pelo menos dá uma adiantada nela durante o ano. Acho que brinquei de uma forma gostosa com o João Vitor, a Sarah e o Saulo, mas também briguei muito com eles, uma coisa que eu detesto, mas acontece nas melhores famílias; Conversei com o Saulo, não quanto eu gostaria, mas todas às vezes foram maravilhosas. O Saulo é o melhor do melhor do mundo em me fazer rir de besteiras quando não tem intenção disso; acho que não tenho propriedade pra dizer que conheci mais os meus outros irmãos, eu tive mais contato com o Rafael, mas não o suficiente pra abrir a boca e dizer que o conheço mesmo; não doei medula óssea, mas doei sangue *-* e me cadastrei como doadora de medula; não tive uma conversa séria com meu pai, e isso ainda é difícil pra mim, porque eu tenho medo, mas um passo mesmo que minúsculo foi dado em relação a isso, eu dei dois testemunhos que falavam de família e principalmente que falavam dele, do nosso (não) relacionamento e de como isso ainda não é definido, o que me faz não ser tão alheia a isso, afinal não vou sair falando algo que não vivo, que só desejo...; fui à Recife, passei só dois dias, não conheci a cidade, só o Laça Burguer e Olinda, mas me apaixonei e quero voltar, adoro o sotaque pernambucano!; não sei se conseguir solidificar amizades que são mais virtuais que reais, acho que não, com exceção da Rôgeany por quem eu tenho um carinho incrível...; escrevi o meu projeto sobre a Relação de Sociabilidade da Juventude na Internet, sofri, chorei, levei carão em público, mas tive êxito e tirei 10!; Não tive a chance de sentar com todos os meus amigos de núcleos diferentes e ver se eles têm muita coisa em comum além da minha amizade ou se eles não têm nada em comum e eu sou uma pessoa versátil, mas eu pretendo em 2012 misturar mais as pessoas dos diversos núcleos, mesmo que a Amanda odeie isso :P; fiquei muito feliz em desenvolver minha subjetividade e em conversar sobre pensamentos, filosofar com pessoas diversas, tentando compreender a visão de cada uma delas, essa foi uma das minhas maiores conquistas em 2011; eu não fiz outro teste de personalidade, quer dizer, eu fiz, mas não foi através dele que reconheci as mudanças que adotei foi através da vivência; ainda não tenho uma foto com cada pessoa que considero importante na minha vida e acho que nunca vou ter. Além disso, decidi que eu farei o possível pra ser sincera a maioria das vezes, porque mesmo sendo difícil de lidar com ela, não a nada melhor, espero que isso me caracterize ano que vem. 

Sem esquecer que em 2011, minha vida foi bem mais interessante graças a algumas pessoas, maravilhosas, como minha família, que aguentaram meus abusos, me fizeram refletir sobre algumas coisas e não me deixaram dá saltos maiores que minhas pernas. "As Meninas da UECE" evoluíram e se multiplicaram, não são só as meninas que fazem trabalho comigo, minhas grandes amigas, são AVASSALADORAS, porque somos fodas, só isso. Eu não tenho nem como agradecer a cada uma delas de um jeito diferente, porque elas têm que me aturar quando estou feliz, triste, esperançosa, revolucionária, maluca, desiludida, apaixonada, carente, e todas as coisas que me transformam "otcho vezes" ao dia! Eu também tenho que falar do Naldinho, porque em 2011 foi o ano de perceber que a maturidade vem com o tempo, pros dois. Quem diria que três anos depois eu seria amiga do meu primeiro namorado e conseguiria conversar com ele sem brigar por qualquer coisa. Agradeço às nossas saídas, nossas reuniões e toda a paciência que ele tem comigo. Sem falar nas pessoas que eu amei e amei em 2011, pessoas que conversaram comigo e me fizeram ter dias que valessem a pena: a Aline, minha miguxa fofa s2; o Arthur, que nunca me deixou e conversou e brincou muito comigo; a Cathe, que me faz rir demais; o Play, que me mostra o quanto eu sou humana; o Daniel, que me faz ver o quanto os opostos se atraem, hahaha; o Davi, que foi um primo muito prestativo; o Rainer, que é uma ótima companhia quando se está atrasada para algum lugar e o trânsito estar de matar; a Dona Estela, que é a mãe de amiguinho mais babona que conheço; o Padre Ivo, que me fez chorar uma vez e rir muitas outras; o Léo David, meu irmão mais velho e mais novo, eu simplesmente ganhei um amigo que eu duvido que exista igual em qualquer lugar do mundo; a Livinha, que mais de uma vez conseguiu me mostrar que sou capaz de muitas coisas que minha tristeza não me deixa notar; o Mafra, que me cativou e faz a saudade apertar o meu peito, assim como o Ribas; a Luiza, que me abraça, me escuta, tem uma risada indescritível e toma sorvete comigo na tia Rô; as professoras Cristininha, Liana, Aurineida, Paula Raquel, Helena Frota, Irma, Sônia Lima; a Iracelma, que foi uma parceirona; a Marianinha, que deixou ver os olhos de Cristo através dos olhos dela; a Martha, a Monike, o Matheus, o Naélio, o Roberto, que receberam a gente lá na paróquia deles; o Mateus Vaz, sempre entendendo minha agenda lotada e vindo me ver; a Nat LINDA, que foi uma fofa sempre e me mostrou como pessoas incríveis podem passar despercebidas pelo nosso cotidiano; a Tábita e a Rebeca, por serem umas primas maravilhosas e gostarem de mim; o Renato Santos, por todas as caronas até a UECE; o Tiago Maia, que mesmo mal encontrando comigo em 2011 consegue fazer com que eu me orgulhe dele; a Robs; a Tuts e a Rôgeany. Eu só tenho que agradecer a todos que me preservaram em seus corações e que habitaram o meu. 

A coisa complica quando se fala de relacionamentos. Esse ano eu me permiti viver relacionamentos modernos, contudo, eu acho que ainda sou meio anacrônica pra isso. Não me apaixonei loucamente, mas não estava pronta pra viver modernamente meus relacionamentos. Eu tento ser como a Sofia dos meus textos, acredito que o jeito que ela ama é como eu quero amar no futuro próximo, de preferência, mas eu ainda sou muito Julia. Na verdade, eu nem sei como eu lido com tudo isso, só sei que esse ano só colei figurinhas repetidas, como disse a Priscyla. Acho que tenho dificuldade em me relacionar, porque se nem eu entendo o que eu quero, quais são minhas pretensões, como o cara vai saber? Tem situações em que travo por não está em um relacionamento sério e tem outras que eu digo "a gente não precisa conversar sobre isso depois"Coisas de Jéssica, quem entenderá? Eu não sei, achei que quem vivesse iria ver, mas com as coisas não são tão simples assim, fico aqui, com meu simples coração, esperando um Levi, tatuado, como lembra minha tia, para viver variações sobre um mesmo tema.

Seja bem vindo fim do mundo (2012), que os desejos de virada se realizem.  é só isso que tenho a dizer ;)


(per)seguidores

No Google+