quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Doces Deletérios

Comentei esses dias no meu twitter que toda vez que mudo o layout do blog, tenho vontade de mudar o nome também. Dessa vez resolvi não ser tão impulsiva - aêêê - e pensar um pouco mais sobre o caso.

Tenho escutado ainda mais Los Hermanos esses dias. Eu gosto da banda, mas infelizmente, o único show deles que eu fui foi em 2005, no Ceará Music e eu nem dei tanta atenção assim, passei a gostar do Camelo desde então, mas não curti o show.
Depois da oportunidade perdida, a banda se desfez e eu me arrependi muitas e muitas vezes.
Esse ano, em uma turnê de reestreia, eles viriam a Recife, e com o dinheiro do meu primeiro salário - e sem o consentimento da minha mãe - iria prestigiar essa volta.
Mas, como o Papai do Céu é bom e detesta conflitos familiares, os trouxe pra Fortaleza, no Ceará Music, novamente.

Enfim, depois disso tudo, me empolguei mais ainda em escutar as músicas. Uma em especial, que sempre foi a minha favorita: Condicional. Pois, inocentemente, achava eu que não era uma das mais conhecidas e que seria só minha. E como o Saulo, metidamente, reparou que os nomes do meu blog batem com letras de música, resolvi procurar entre músicas que gosto, um trecho que servisse como um novo título. Eis que surge Doces Deletérios.

Mas fui adiante - talvez porque seria a primeira vez que fui atrás de um nome, que ele não veio da necessidade de sair de dentro de mim - e fiz uma pesquisa: existiriam outros doces deletérios por ai?
E a resposta, não foi a das mais agradáveis pra mim. Sim, existiam. E vários.
Resolvi conhecê-los, afinal, se "me tomaram o nome" teriam que fazer merecer usá-lo.
Entre eles, alguns chamaram minha atenção (sendo justa, só li um post de cada, não se julga um blog por 1 post, ok?!) :

Deixei uma pergunta pra cada uma delas, querendo saber o porquê da escolha pelo nome do blog, espero que me responda, se responderem, posto aqui.

"Eu quis ter os pés no chão.
Tanto eu abri mão que hoje eu entendi:
Sonho não se dá... ♫"
Devem existir muitos outros, mas esses foram o bastante para me fazer desistir da ideia. Nem conto o número de "Nem tão simples assim" que existem nesse mundão intenético, mas ele é tão meu.
Me fez notar também, que essas coisas a gente não escolhe, a gente simplesmente sente, só isso.











Um dia depois deste post ir ao ar, recebi a resposta da Thaís Tenório, que respondeu o seguinte sobre os seus deletérios:

"Olá, tudo bem? Pois bem, sempre ouvi Los Hermanos, desde o inicio, já fui a alguns shows deles e tô lutando pra ir nesse de Recife... mas enfim, também curto muito a música 'condicional'... e essa frase 'doces deletérios' sempre mexia comigo, sabe? Chamava atenção... Ao repaginar meu blog, resolvi colocá-la como título por que: no meu blog, eu escrevo especificamente com experiências da minha vida, sejam elas reais ou fictícias. Coisas que penso, concordo ou não, etc. É mesmo bem pessoal. Afinal, o que é um deletério? Ao fazer pesquisas, percebi que o significado real da palavra vem de algo nocivo, que destrói a saúde, em resumo, algo que não é bom, não é saudável. Mas aí vem a contradição com o doce, que é algo bom, gostoso, prazeroso. Vi que isso, essa contradição, combinava muito com minhas experiências, algumas que me faziam/fazem mal, mas que gosto de sentir, outras que são até nocivas, mas ao mesmo tempo prazerosas e que têm sim uma pitada de doce, outras que são só deletérios, outras tantas que são só doces... De certo modo, não há contradição maior e melhor do que a própria vida: cheia de doçura e ao mesmo tempo com tanta coisa que nos faz mal. A vida, por si só, já é um doce deletério. Espero que você tenha entendido mais ou menos o meu ponto de vista. Quem sabe até eu faça um texto sobre isso um dia. Obrigada pela passadinha e espero que continue vendo. Beijos, Thaís Tenório."

(per)seguidores

No Google+